terça-feira, 13 de junho de 2017

A doença de ser normal

Bug Cerebral

A cura da normose é trabalho individual, mas alguns esforços sociais podem ajudar. Para começar, seria um adianto se tivéssemos um novo modelo educacional. A escola poderia ser o lugar onde as crianças descobrem suas verdadeiras vocações - em vez de tentar padronizar os alunos e convencê-los a serem normais.
Mundo afora, estão surgindo escolas com uma nova lógica, como a Escola da Ponte, em Portugal. A instituição não segue um sistema baseado em séries, e os professores não são responsáveis por uma disciplina ou por turmas específicas. As crianças e os adolescentes que lá estudam definem quais são suas áreas de interesse e desenvolvem seus próprios projetos de pesquisa, tanto em grupo como individuais.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

O Socialismo de Marx

“Um espectro ronda a Europa.”
Em 1848, os economistas e filósofos alemães karl Marx (1818 - 1883) e Friedrich Engels (1820 - 1895) publicaram o Manifesto Comunista, dedicado sobretudo à classe operária, pretendendo despertar a consciência de classes. Pregava-se uma revolução internacional que derrubasse a burguesia e o sistema capitalista, e implantasse o comunismo. A pedra fundamental do marxismo está na ideia de socialização dos meios de produção. Em O Capital, obra de Marx, estão os principais conceitos do marxismo.

cts

quarta-feira, 7 de junho de 2017

O tesouro no quintal

Era uma família grande, a nossa: pai, mãe, cinco filhos. Grande e pobre. Papai, pedreiro, mal conseguia nos sustentar. Mamãe ajudava como podia, fazendo faxinas e costurando para fora, mas mesmo assim a vida era bastante difícil. Papai vivia bolando formas de reforçar nosso orçamento doméstico ou de, pelo menos, diminuir as despesas. Foi assim que lhe ocorreu a ideia da horta. 
Morávamos numa minúscula casa de subúrbio, não longe de uma bela praia, que, contudo, raramente freqüentávamos: era lugar de ricos. Casa pobre, a nossa, sem nenhum conforto. Mas, por alguma razão, tinha um quintal bastante grande. Do qual, para dizer a verdade, não cuidávamos. O capim ali crescia viçoso e no meio dele jaziam, abandonados, pneus velhos, latas, pedaços de tijolos e telhas. Papai olhava para aquilo, pesaroso: parecia-lhe um desperdício de espaço e de terra. Um dia chamou os dois filhos mais velhos, meu irmão Pedro e eu próprio, e anunciou: vamos fazer uma horta neste quintal. 
Proposta mais do que adequada. Nós quase não comíamos legumes e verduras, porque eram muito caros. Mas, se plantássemos ali tomate, alface, agrião, cenoura, teríamos uma fonte extra de alimento - e o mais importante, sem custo. 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Os 3 sinais verdes mais importantes que toda mulher precisa reconhecer.

3. Postura do caubói
Polegares enfiados no cinto ou na parte mais alta dos bolsos emolduram a área genital e representam uma atitude sexualmente agressiva. Nessa postura, os braços abertos demonstram disponibilidade e as mãos servem como indicadores que ressaltam os órgãos sexuais. Os homens param nessa pose para defender seu território ou para mostrar aos outros homens que não estão com medo. Os macacos fazem o mesmo gesto, mas sem o cinto ou a calça, claro.
Esse gestual diz “Eu sou macho, sou capaz de dominar”, motivo pelo qual é muito usado por homens à caça de mulheres. As intenções de qualquer homem que assume essa postura - com as pupilas dilatadas e um pé apontando na direção da pretendente - são facilmente percebidas pela maioria das mulheres. Esse é um dos gestuais que revelam involuntariamente o que passa na cabeça dos homens.

a&b

terça-feira, 30 de maio de 2017

A doença de ser normal

Desnormatização
Para a filósofa Dulce Magalhães, que escreve sobre mudanças de paradigmas, o normótico acredita que geração de renda e falta de tempo para si ou para a família são indissociáveis. “As pessoas consideram que trabalhar muitas horas, colocar em risco sua saúde e suas relações é normal”, diz ela. “Mas isso tem um custo pessoal e social alto demais, que acabam levando a problemas de saúde pública e violência, por exemplo.”

Dulce acha que a cura para a normose está em mudarmos de modo mental, abandonando o modelo da escassez , que hoje rege o mundo, e abraçando o da abundância. Ela explica: “Desde a infância, aprendemos que o que vem fácil vai fácil e que, se a vida não for difícil, não é digna. Precisamos mudar isso e entender que esforço não é tarefa.” Quantos de nós chegamos em casa reclamando para mostrarmos (a nós mesmos e aos outros) que trabalhamos muito e tivemos um dia duro, como se isso trouxesse algum tipo de mérito?
Segundo Crema, cada um de nós tem talentos diversos, mas “o normótico padece de falta de empenho em fazer florescer seus dons e enterra seus talentos com medo da própria grandeza, fugindo da sua missão individual e intransferível”. “Quando temos necessidade de, a todo custo, ser como os outros, não escutamos nossa própria vocação”, acredita.
O carioca Eduardo Marinho, hoje com 50 anos, percebeu cedo que não queria ser como os outros. Filho de militar, abriu mão de sua condição financeira e de sua faculdade ao se dar conta, aos 18 anos, que não queria olhar para sua vida quando velho e pensar que não tinha feito nada relevante. “Não queria ser bem-sucedido e me sentir fracassado”. Eduardo saiu pelo País pedindo abrigo e comida em troca de favores e buscando algo que o preenchesse. Depois de passar por poucas e não tão boas pelo Brasil, deu voz a sua vocação. Hoje é artista plástico.
Ele acredita que a desnormatização se inicia dentro de cada um: “Que tal olhar para dentro de si mesmo? É aí que começa a revolução”, sugere. Claro que, para isso, não é mandatório dormir nas ruas. Fazer o trajeto que Eduardo escolheu para si pode ser perigoso e não há nenhuma garantia de sucesso.

si

sábado, 27 de maio de 2017

A hipótese organizacional

As vacas não parem gêmeos com frequência. Mas, quando o fazem, e se os gêmeos são dois machos ou duas fêmeas, o fazendeiro ganha um bom bônus. Por outro lado, durante centenas - provavelmente milhares - de anos, vaqueiros e pecuaristas se decepcionaram com gêmeos de sexos opostos, porque a fêmea nasce estéril. É uma freemartin. A origem desse termo se perdeu num nevoeiro lexicológico, mas ele é usado desde o século XVII para se referir à gêmea de um bezerro nascida estéril. Quase sempre ela é estéril; seu irmão, em geral, é perfeitamente normal.Em 1916 e 1917, Frank Lillie, da Universidade de Chicago, começou a fuçar dentro das bezerras estéreis. Ele descobriu que com frequência elas tinham ovotéstis, uma amalgamação de gônadas masculina e feminina. Eram hermafroditas - o resultado da fertilização de dois óvulos diferentes por dois espermatozoides diferentes, resultando embriões de sexos opostos que se fundem e compartilham do mesmo suprimento de sangue. O feto do macho, percebeu Lillie, começava a fabricar hormônios específicos dos machos (a testosterona só descrita em 1935, portanto Lillie não tinha um nome para os hormônios masculinos) antes de o motor hormonal do feto da fêmea começar a funcionar. Como eles compartilhavam o mesmo sangue, ela recebia uma dose de hormônios masculinos. Tornava-se masculinizada.
Trabalhos como o de Lillie disseminaram a ideia de que os hormônios desempenhavam funções de desenvolvimento importantes no útero, mas só em 1959 foi que a ciência começou a entender como os hormônios pré-natais podiam afetar o comportamento. Um artigo de pesquisa intitulado “The Organizing Action of Prenatally Administered Testosterone Propionate on the Tissues Mediating Mating Bahavior in the Female Guinea Pig” tem a contenção sonífera comum a artigos científicos inovadores, mas se tornou a base do que é conhecido como a hipótese organizacional. Larry e outros acreditam que os eventos que a hipótese descreve, estabelecem o circuito cerebral que influencia enormemente todos os nossos comportamentos básicos relacionados ao amor.
A essência da experiência descrita no artigo era bem simples. Charles H. Phoenix e seus colegas da Universidade do Kansas injetaram testosterona em porquinhas-da-índia prenhas e depois esperaram para ver o que acontecia com seus filhotes. Quando eles nasceram, as fêmeas que haviam recebido doses mais elevadas de testosterona apresentavam o que um médico chamaria de genitália ambígua. Phoenix mais tarde pôs essas fêmeas no calor com injeções de hormônios e depois imitou o modo como os roedores machos solicitam sexo, que consiste em afagar a parte traseira do animal.
Quando está disposta, a fêmea do roedor se comporta como uma modelo de roupa de banho durante uma sessão de fotos: ela empina as costas e mostra a traseira, um convite para sinalizar que está receptiva. Isso se chama lordose. Quando um macho solicitante vê uma lordose, monta na fêmea. Quando Phoenix afagou as porquinhas-da-índia cujas mães haviam recebido testosterona, elas não apresentaram comportamento de lordose algum. Porém, agiram bastante como se quisessem montar - mais ou menos com a mesma frequência dos machos. O hormônio não havia alterado apenas os corpos dos filhotes que eram fêmeas, mas também seu comportamento. Isso significa que mudou seus cérebros.

Continua…

l&b

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Amor Inteligente

Quanto mais sabemos apoiar, ajudar e amar a nós mesmos, tornamo-nos naturalmente melhores amigos para os outros. As dificuldades e os desafios que enfrentamos no dia a dia nos ensinam a nos amar, a crescer, a melhorar e a nos apoiar mais.
Os seus melhores amigos nessa vida, pessoas que talvez o compreendam, não farão tudo do jeito ou quando você quiser. Não serão aqueles que concordarão sempre com você! Talvez seus melhores amigos, aqueles que você irá admirar, sejam pessoas que dão a si mesmas e a você o que eu chamo de amor inteligente. Um amor que o ajuda a crescer e a melhorar. Essas pessoas serão seus verdadeiros amigos, e a vida mostrará isso a você.
Observe como seus melhores amigos são pessoas que se compreendem muito e que se amam, pessoas que são focadas em compreender e refletir sobre a vida que pulsa dentro e fora delas. Pessoas assim fazem naturalmente com que você se sinta bem e seguro na companhia delas, isso porque são pessoas que se amam de forma inteligente.
Você também pode se tornar um grande amigo ou amiga para os outros. Você pode encontrar tanto amor dentro de si que haverá amor de sobra para dividir com os outros. Acredite no seu potencial de ser um grande amigo e companheiro de si próprio e dos outros também.

Continua…

gm

terça-feira, 23 de maio de 2017

About me… ㋡

Perfumes favoritos: 212 da Carolina Herrera e Glow da Jlo… São os únicos dois que uso!

segunda-feira, 22 de maio de 2017

A doença de ser normal

Continuação…
Assim nasceu o conceito de normose, que, segundo ele, “ocorre quando o contexto social que nos envolve caracteriza-se por um desequilíbrio crônico e predominante”. A normose torna-se epidêmica em períodos históricos de grandes transições culturais - quando o que era normal subitamente passa a parecer absurdo, ou até desumano. Foi o que aconteceu no final do período romano, em relação à perseguição de cristãos, ou no início da Idade Moderna, com o fim da Santa Inquisição, ou no século 19, com a perda de sustentação moral da escravidão. E, segundo Crema, Leloup e Weil, é o que está acontecendo de novo, com a crise dos nossos sistemas de produção, trabalho e valores.“O novo modelo é ainda embrionário, e os visionários dessa possibilidade de sociedade não-normótica ainda são minoria”, diz Crema. Enquanto a maioria de nós se adapta a um ambiente social doente, quem resiste à normose acaba considerado desajustado, por não obedecer ao estado “normal” das coisas.
Como aquele cara que, mesmo ganhando o suficiente para fornecer educação, moradia e alimentação para si e seus filhos, é considerado vagabundo e louco por, em plena quarta-feira ensolarada, liberar as crianças da aula e levá-las à praia. Mas como? Em dia de semana? As crianças vão faltar aula? Pois é. De repente, ele acha que um dia na natureza vai fazer mais bem a seus filhos do que horas sentados em uma sala de aula. Será que ele não é saudável, e doente estão os outros?

si
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...